15/03/2017

PENÁPOLIS CONQUISTA CURSO DE MEDICINA

13:23:00 - 1328 visitas


                A inspiração aconteceu em Franca, numa reunião da Associação das Instituições Municipais de Ensino Superior do Estado de São Paulo (AIMES), em dezembro de 2014. Dada a demanda por profissionais da área da saúde, especialmente médicos, notamos uma predisposição do Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo (CEE/SP) para aprovar novos cursos de medicina no estado. Era o auge do Programa Mais Médicos do Governo Federal, o qual consiste em ampliar o número de médicos no país, estimulando a vinda de profissionais do exterior e ampliando o número de vagas em escolas de medicina do sistema federal. Nesse momento, entendeu-se que o Estado de São Paulo podia contribuir criando novas vagas por meio das faculdades municipais. Algumas cidades aproveitaram o contexto e apresentaram seus projetos para apreciação do CEE. Era o momento de a FUNEPE ser ousada.

                Depois de várias reuniões, a equipe gestora da FUNEPE considerou ser realmente oportuno elaborar um projeto pedagógico para um Curso de Medicina. Para tal, buscamos apoio técnico em outras instituições, uma vez que se trata de um projeto de muitas peculiaridades e complexidades. Nesse sentido foi fundamental a assessoria prestada pela Profª Drª Marisa Cardim, da Fundação de Adamantina. Longos meses, longas reuniões, viagens, visitas a outras instituições, visitas a hospitais... Em outubro de 2015, o Projeto foi protocolado junto ao CEE. O trabalho para sua elaboração tinha sido muito meticuloso, o que dava grande confiança no sucesso.

                Na primeira fase de avaliação do documento, na Assistência Técnica do CEE, não houve senão: o Projeto cumpria todas as deliberações, atendia perfeitamente as Novas Diretrizes Curriculares do Curso de Medicina. Assim, foi encaminhado para avaliação de seu mérito a comissão de especialistas. Deles vieram duas indicações de ajustes: precisávamos substituir um docente (com pós-doutorado, mas entendiam que não tinha aderência com a disciplina que lecionaria) e corrigir uma informação sobre a carga horária da matriz curricular. Vê-se que a avaliação do Projeto é tão rigorosa que flagra detalhes que nem são falhas técnicas, mas divergência de concepção ou problema de formatação. Atendemos prontamente os apontamentos.

                Aprovado pelos especialistas, o Projeto seguiu os trâmites do CEE. O relator sorteado para analisar o parecer dos especialistas e fazer o seu parecer e apresentá-lo aos demais conselheiros foi o Professor Francisco José Carbonari, atual Secretário Adjunto da Educação do Estado de São Paulo. Estávamos no segundo semestre de 2016. Em reunião com o professor Carbonari, ouvimos dele o desafio de provarmos que o sistema de saúde local e regional daria suporte para a instalação de uma nova faculdade de medicina. O zelo do conselheiro fê-lo solicitar uma visita dos especialistas Dr. Eduardo Caldeira e Dr. Irimar de Paula Posso aos hospitais que figuram no Projeto como campo para a parte prática do Curso (Santas Casas de Penápolis, Birigui e Lins, Hospital João Marchese e Hospital Geral de Promissão). Aos olhos desses especialistas, a estrutura apresentada tem ótimas condições para suportar o Curso proposto, com suas sessenta e seis vagas anuais oferecidas. Mais entusiasmante é que, conforme eles, há potencial para fixarmos toda a parte prática de nossos futuros alunos aqui mesmo em Penápolis, na Santa Casa e no Hospital João Marchese.

                Ressalte-se que a visita técnica dessa comissão não faz parte da práxis do CEE, o que nos dá a garantia (e assim deve ser para todos aqueles que ainda têm algum ceticismo quanto à qualidade do que a FUNEPE está propondo) de que esta Instituição oferecerá um curso de grande qualidade, compatível com a positiva tradição que ela tem mantido ao longo de seus cinquenta anos.

                Constatado que não há o risco de faltar espaço para aulas práticas, havendo a garantia de potencial para aprimoramento de campos de estágio e implantação de residência médica, o Projeto foi aprovado em mais uma etapa, junto à Câmara de Educação Superior, no dia 08 de março de 2017.

                Hoje, 15 de março de 2017, a FUNEPE ratifica a conquista do Curso de Medicina para Penápolis. Apresentado em sua última etapa de tramitação no CEE, em sessão plenária do colegiado, o Projeto foi aprovado para a instituição tomar as providências no sentido de construir o novo campus que receberá a primeira turma de medicina. Hoje, Penápolis conquista uma nova Faculdade. Hoje, Penápolis finca um divisor de águas que vai alavancar o progresso econômico, social e cultural.

                É certo que ainda há muito trabalho pela frente, afinal não é fácil construir um novo prédio, com salas de aula, laboratórios, adquirir mobiliário, equipamentos sofisticados, livros, revistas etc... Contudo, o entusiasmo, que nunca faltou à equipe da FUNEPE, é poderoso propulsor para atingir mais essa realização. O sonho que a alguns parecia apenas sonho, ou “coisa de destrambelhados”, ou “promessa vazia de estelionatários” mostra-se na verdade como uma ação ousada. Ousadia e entusiasmo, aliás, também tiveram desde o início desse percurso todos os funcionários da FUNEPE e as autoridades municipais, de quem, sem dúvida, depende e dependerá a prosperidade desta instituição. A expectativa agora é que nossa ousadia e entusiasmo contagie todo cidadão penapolense, estimulando sua auto-estima e colocando-o à disposição para ajudar na concretização dessa meta, pelo menos irradiando energia positiva.